Um poderoso terremoto com magnitude de 6,3 sacudiu o oeste do Afeganistão no sábado (7), deixando um rastro de destruição e tragédia na província de Herat. O grupo Talibã relatou neste domingo (8) que cerca de 2.000 pessoas perderam suas vidas devido ao desastre, enquanto o país já enfrentava profundas dificuldades econômicas e se recuperava de desastres naturais anteriores.

O epicentro do terremoto estava localizado a 40 quilômetros a oeste da cidade de Herat, a terceira maior do Afeganistão. Abdul Wahed Rayan, um alto funcionário do Talibã do Ministério da Informação e Cultura, comunicou à CNN que estimam o número de mortos em cerca de 2.000, mas alertou que esse número pode aumentar à medida que as operações de resgate continuam e mais pessoas são resgatadas dos escombros.

O terremoto inicial foi sentido também nas províncias vizinhas de Badghis e Farah e foi seguido por múltiplos tremores secundários. Janan Sayeeq, porta-voz do Ministério de Desastres, informou à Reuters que o terremoto resultou em 2.053 mortes, 9.240 feridos e danos ou destruição em 1.329 casas.

Avaliações anteriores das Nações Unidas haviam indicado um número menor de cerca de 100 mortos e 500 feridos, com aproximadamente 500 casas destruídas e 135 edifícios danificados, de acordo com o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). “No total, até agora, 4.200 pessoas (600 famílias) foram afetadas”, acrescentou o OCHA.

Imagens da tragédia mostram montanhas de destroços e edifícios desabados, enquanto multidões de sobreviventes se reuniram nas ruas em busca de segurança. A aldeia de Mahal Wadakah foi uma das mais afetadas, com pelo menos 20 mortes relatadas, e outras áreas gravemente afetadas incluíram Dasht Hows, Bahadorzai, Zoryan e Koshkak.

Além disso, aproximadamente 300 famílias (cerca de 2.100 pessoas) foram deslocadas para a cidade de Herat, onde estão alojadas em edifícios abandonados.

O Afeganistão já estava sofrendo danos consideráveis devido a uma série de terremotos recentes, enquanto enfrenta uma profunda crise econômica e de fome que resultou na morte e deslocamento de dezenas de milhares de pessoas. O país, há muito tempo um dos mais pobres da Ásia, tem sido devastado por conflitos por décadas. A capacidade do Afeganistão de responder a desastres naturais foi ainda mais prejudicada desde que os talibãs assumiram o controle em 2021, após a caótica retirada das tropas dos EUA, o que levou ao recuo de muitos grupos de ajuda internacional.

Fonte: CNN

Deixe um comentário