Nesta sexta-feira, 27 de outubro, o vereador Gedson do Nascimento Ramos, representante da cidade de Bom Jesus da Lapa, teve seu mandato cassado de forma irrevogável, de acordo com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Seguindo a sentença do TSE, a Justiça Eleitoral procedeu à recontagem dos votos, resultando na posse imediata do suplente Romilson Oliveira Batista, também conhecido como irmão Romilson (PSC), até o término da legislatura em dezembro de 2024. Romilson havia obtido 492 votos nas eleições de outubro de 2020.

Gedson havia sido eleito como o 16º mais votado, representando o PSC, com 628 votos em 2020. No entanto, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) alegou que houve compra de votos e irregularidades.

Inicialmente, o Juízo da 71ª Zona Eleitoral considerou a ação improcedente devido à fragilidade das provas apresentadas. O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) confirmou essa decisão por maioria de votos. No entanto, o Ministério Público Eleitoral recorreu ao TSE.

No TSE, o ministro Raul Araújo julgou o caso, afirmando que Gedson utilizou recursos financeiros, cestas básicas e favorecimento em atendimentos médicos do serviço público municipal de saúde para obter o voto da eleitora Vanderleia Souza dos Santos.

Segundo a decisão do ministro, as provas apresentadas eram concretas e baseadas em declarações verídicas, confirmadas por Vanderleia. O vereador admitiu ter entregue “propina” à eleitora em dois momentos distintos, confirmando a prática de atos ilícitos.

Após as eleições de 2020, diversos processos relacionados a alegadas irregularidades eleitorais têm sido tratados na justiça no contexto de Bom Jesus da Lapa.

Fonte : Agência Sertão

Deixe um comentário